© 2017 por Emerson Pansarin

LBMBP Orchidarium

LBMBP Lab

University of São Paulo - Ribeirão Preto - Brazil

Current projects

EVOLUTION OF FLORAL TRAITS RELATED TO POLLINATOR ATTRACTION IN VANILLA (ORCHIDACEAE)

The pollination systems displayed by orchid flowers have inspired biologists over the centuries. However, despite the economic importance of the genus Vanilla, little attention has been given to the pollination mechanisms and attraction of pollinators in these plants. However, previous studies reveal the most pollination strategies seem to be related to the attraction of male euglossine bees. The understanding of the pollination processes in Vanilla is important, since the fruit production in this genus is based exclusively on hand pollinations. The data on anatomy, histochemical of floral glands and analyses of floral fragrances are scarce when compared to the diversity of this orchid genus. Furthermore, the floral characters and the fragrance compounds have not, to date, been analyzed in an evolutionary context. The project aims to test the hypothesis of convergent evolution in Vanilla, since the pollination by euglossine bees has been recorded in at least two clades within this genus. Furthermore, the project aims to test the hypothesis of variation in the reward production, compotion of floral fragrances and pattern of floral reflectance, since others pollinator groups have been recorded as pollinators in Vanilla. To test these hypotheses, studies on secretory structures, the cells and tissues involved in the secretion, the floral reflectance patterns, as well as the volatile compounds of at least 30 species of Vanilla will be performed. Additionally, cpDNA and nrDNA regions will be analyzed in order to investigate the phylogeny of this plant group. The flower reflectance will also be studied with a spectrophotometer. The floral fragrances will be analyzed by GC-MS. The flowers of each species also will be investigated on basis on morpho-anatomical characters. Based on the obtained data, the patterns of evolution of floral traits related to the pollinators, pollination mechanisms and floral fragrances in this genus will be analyzed.
This project is supported by FAPESP.

FLORAL VOLATILES OF EUGLOSSINE-POLLINATED PLANTS: FROM INDIVIDUALS TO COMMUNITIES

My aim is to better understand the ecology and evolution of plant-pollinator interactions. To do so, I will look for relations between patterns and processes from auto-ecology to community ecology involving the communication between plants and their euglossine-bee pollinators.

Concluded projects

2014- 2017

EVOLUTION OF FLORAL TRAITS IN A NEOTROPICAL GENUS POLLINATED BY MALE EUGLOSSINE BEES

 

The Neotropical region is the richest of the world. As occur in many plant families, among the orchids, many genera are endemic to the Neotropical region, including Catasetum L. C. Rich., with 147 species. There are over fifty years is known that the species of Catasetum are pollinated by male euglossine bees, which collect fragrances on flowers. However, data on anatomy and histochemical of floral glands are absent. Analyses on floral fragrances were previously performed for some species, but these data are scarce when compared to the diversity of this orchid genus. Furthermore, the floral characters and the fragrance compounds were never analyzed in an evolutionary context elsewhere. The objectives of this project are: to identify the secretory structures, the cells and tissues involved in the secretion, the floral reflectance patterns, besides to the volatile compounds of at least 60 species of Catasetum. Additionally, cpDNA and nrDNA regions will be analyzed in order to investigate the phylogeny of this plant group. The flower reflectance also will be studied with a spectrophotometer. The floral fragrances will be analyzed by GC-MS. The male and the female flowers of each species also will be investigated on basis on morpho-anatomical characters. Based on the obtained data will be analyzed as has been occurred the evolution of floral traits related to the pollinators (male euglossine) pollination mechanisms and floral fragrances in this genus.

 

 

2014 - 2015

Biologia reprodutiva de plantas carnívoras: Drosera communis (Droseraceae), Utricularia hispida e U. tricolor (Lentibulariaceae).

 

Desde os primeiros estudos envolvendo plantas, a carnivoria vegetal tem intrigado pesquisadores com relação a diversidade das formas de armadilhas, a forma de atração e captura das presas, tipos de glândulas relacionadas à digestão, entre outras características. Embora o mecanismo de captura das presas seja bastante estudado, dados a respeito de seus polinizadores e formas de reprodução são muito escassos, sendo que para Utricularia existem apenas dois estudos nesse sentido e, para Drosera, apenas um. Para espécies sul-americanas os dados são ainda mais escassos. Baseado nesses fatos, o presente projeto pretende estudar a biologia reprodutiva de Drosera communis, Uticularia hispida e U. tricolor, que são simpátricas em áreas alagadas dentro de regiões de cerrado no município de Cajuru-SP. Será investigada a biologia floral das espécies através de estudos de morfologia floral e testes histoquímicos das regiões supostamente produtoras de recursos aos polinizadores. Também será realizada a observação dos polinizadores e o mecanismo de polinização. Além disso, serão realizadas polinizações manuais (polinização cruzada, emasculação, autopolinização manual e autopolinização espontânea) para verificação do sistema reprodutivo. Também será avaliada a taxa de frutificação em condições naturais. Os resultados obtidos a partir do presente trabalho contribuirão para o entendimento da diversidade de recursos florais, polinizadores e mecanismos de polinização que ocorrem dentro dos gêneros Drosera e Utricularia.

 

2014 - 2015

Biologia floral e reprodutiva, anatomia do labelo e análise histoquímica das regiões produtoras de recursos florais em Vanilla chamissonis Klotzsch.

Vanilla chamissonis (Orchidaceae: Vanilloideae) ocorre predominantemente em planícies litorâneas (vegetação de restinga), desenvolvendo-se sobre a vegetação arbórea e arbustiva. É encontrada desde o Espírito Santo até o Rio Grande do Sul, e em fragmentos de matas nativas no interior do estado de São Paulo. Até o presente nada é conhecido com relação aos agentes polinizadores para a V. chamissonis. O presente projeto tem por objetivos realizar o estudo comparativo da biologia floral e reprodutiva dessa espécie nos município de Analândia-SP e na planície litorânea de Picinguaba (Ubatuba-SP), através do estudo da morfologia floral, reconhecimento de polinizadores e mecanismo de polinização em ambientes distintos, bem como a análise anatomia e histoquímica das regiões produtoras de recursos florais.

 

2013 - 2014

Biologia reprodutiva de Epidendrum martianum Lindl. (Orchidaceae: Laeliinae)

 

Epidendrum L. é um gênero neotropical que compreende 1.125 espécies distribuídas entre o sudeste dos Estados Unidos (Carolina do Norte) e a Argentina. Cerca de 132 espécies são encontradas no Brasil, incluindo Epidendrum martianum Lindl., que apresenta flores ressupinadas e esverdeadas, podendo ou não apresentar traços de cor rubra. A biologia reprodutiva dessa espécie será investigada através de estudos de morfologia floral e testes histoquímicos das regiões supostamente produtoras de recursos aos polinizadores. Testes preliminares mostraram que essa espécie libera fragrância floral que, provavelmente, está associada na atração de seus polinizadores. Também será realizada a determinação dos compostos presentes na fragrância, bem como a observação dos polinizadores e processo de polinização. Além disso, serão realizadas polinizações manuais intraespecíficas (polinização cruzada, emasculação, autopolinização manual e autopolinização espontânea) e, a partir dos frutos obtidos, será avaliada a quantidade de sementes potencialmente viáveis resultantes de cada tratamento. Os resultados obtidos a partir do presente contribuirá para o entendimento da diversidade dos polinizadores e dos mecanismos de polinização que ocorrem dentro do gênero Epidendrum.

 

2013 - 2014

Preservação de orquídeas nativas do interior do estado de São Paulo e seu uso como modelo para conservação, atividades de extensão, pesquisa e ensino de educação ambiental na USP

Orchidaceae corresponde a uma das principais famílias entre as plantas com flores, com mais de 25.000 espécies distribuídas em 780 gêneros. A família vem sendo amplamente usada como objeto de estudos sistemáticos, taxonômicos, fisiológicos, ecológicos e melhoramento genético. Além disso, muitas espécies são cultivadas como ornamentais, o que torna a família de grande interesse para o público leigo e orquidicultores. As orquídeas também são um excelente modelo para realização o ensino de educação ambiental e cursos de extensão universitária, aproximando a população da Universidade. O Laboratório de Biologia Molecular e Biossistemática de Plantas (LBMBP) da FFCLRP-USP contempla atividades de pesquisa, ensino e extensão universitária usando as orquídeas como tema principal. O Laboratório pretende ampliar essas atividades, incluindo a produção e reintrodução de espécies nativas que ocorriam naturalmente no campus e que estão em fase de extinção em áreas nativas do estado de São Paulo. O projeto pretende ainda realizar aulas de educação ambiental com escolas de ensino médio e fundamental da região de Ribeirão Preto nas quais serão distribuídas parte das mudas produzidas e também textos sobre preservação da flora e da fauna com o uso das orquídeas como modelo. As atividades a serem realizadas serão amplamente divulgadas no âmbito da Universidade de São Paulo, entre docentes, alunos e funcionários com o intuído de conscientizar toda a comunidade em proporcionar uma Universidade voltada para o futuro, mas preocupada com as questões ambientais e preservação da flora e fauna nativas, e recursos hídricos. As atividades e experiências também serão incorporadas ao Curso de Extensão Universitária que é ministrado anualmente pelo LBMBP.


 

2013 - 2017

Biologia floral comparada do gênero Catasetum L.C.Rich. (Orchidaceae, Catasetinae) baseado em estudos filogenéticos.

 

O gênero Catasetum L. C. Rich. (Orchidaceae) inclui 147 espécies distribuídas principalmente pelas regiões tropicais da América Central e do Sul. Há 50 anos é conhecido que as espécies de Catasetum são polinizadas exclusivamente por machos de abelhas Euglossina que coletam fragrâncias nas flores, porém não há dados sobre anatomia e histoquímica das glândulas florais. Análises de fragrâncias já foram realizadas para algumas espécies. No entanto, os constituintes das fragrâncias nunca foram analisados em um contexto evolutivo para o grupo. O presente projeto tem como objetivos identificar as estruturas secretoras, os tecidos envolvidos na secreção, assim como confirmar a natureza química dos recursos florais presentes em pelo menos 30 espécies deste gênero. Serão analisadas regiões do DNA ribossômico nuclear (nrDNA) e do DNA de cloroplasto (cpDNA) para os estudos de filogenia. A análise das fragrâncias florais será feita através do método GC-MS. As flores masculinas e femininas de cada espécie também serão analisadas com base em caracteres morfo-anatômicos. A partir dos dados obtidos será analisado como ocorreu a evolução das glândulas e fragrâncias florais no gênero.

 

2012 - 2014

Biologia floral e reprodutiva de Encyclia patens Hook. (Orchidaceae, Laellinae), anatomia do labelo e análise histoquímica das regiões produtoras de recursos florais

 

O gênero Encyclia Hook. (Orchidaceae) é neotropical e compreende cerca de 120 espécies distribuídas pelos Estados Unidos, México, Brasil e Argentina. Entre elas está Encyclia patens Hook., uma espécie que possui ampla distribuição no Brasil, ocorrendo desde o Rio Grande do Sul até Pernambuco. Esta espécie pode também ser encontrada no interior do estado de São Paulo, incluindo o município de São Simão, local onde será investigada sua biologia floral e reprodutiva. Serão realizados estudos sobre fenologia, morfo-anatomia floral e análise histoquímica das regiões produtoras de recursos florais. Também serão feitos tratamentos de polinização para verificar o sistema reprodutivo da espécie. A quantidade de sementes potencialmente viáveis obtidas em cada tratamento, bem como a taxa de frutificação em ambiente natural para avaliar o sucesso reprodutivo serão determinados. 

 

2012 - 2014

Biologia floral e reprodutiva de Ionopsis utricularioides (Sw.) Lindl. (Orchidaceae): uma comparação entre populações de diferentes formações vegetacionais

 

Ionopsis utricularioides (Sw.) Lind. é uma orquídea de ampla distribuição, ocorrendo ao longo das Américas e também nas Ilhas de Galápagos. No Brasil, ela ocorre em diversas formações vegetacionais. Apesar de se saber que a espécie é polinizada por engano em Porto Rico, não se tem evidências sobre quais são seus polinizadores. No município de São Simão, interior de São Paulo, será investigada a biologia floral e reprodutiva de I. utricularioides em dois ambientes diferentes: uma área palustre e uma mata de galeria. Através de estudos de fenologia reprodutiva, morfologia floral e sobre polinizadores e mecanismos de polinização serão reunidos dados visando investigar a biologia reprodutiva da espécie em diferentes ambientes. Além disso, serão realizados os tratamentos de emasculação, polinização cruzada e autopolinização para compreender a reprodução da espécie no Brasil, comparando com dados disponíveis para populações de Porto Rico.

 

2012 - 2013

Biologia floral e investigação da ocorrência de hibridação natural entre Epidendrum secundum e E. denticulatum no cerrado de Itirapina - SP

 

Epidendrum Lindl. é um gênero neotropical que compreende cerca de 1.125 espécies distribuídas entre o sudeste dos Estados Unidos (Carolina do Norte) e a Argentina. Cerca de 132 espécies são encontradas no Brasil. A delimitação entre espécies dentro do gênero muitas vezes é algo de controvérsias, já que muitas delas são bastante variáveis morfologicamente e às formam complexos de espécies, como o ?complexo Epidendrum secundum?. As espécies analisadas nesse trabalho serão E. secundum Jacq.e E. denticulatum Barb. Rodr., que são simpátricas em áreas de cerrado do município de Itirapina-SP. No presente trabalho será investigada a biologia floral das espécies através de estudos de morfologia floral e testes histoquímicos das regiões supostamente produtoras de recursos aos polinizadores. Além disso, serão realizadas polinizações manuais intra- (polinização cruzada, emasculação, autopolinização manual e autopolinização espontânea) e interespecíficas. A partir dos frutos obtidos em cada tratamento será avaliada a quantidade de sementes viáveis resultantes de cada tratamento. O mecanismo de polinização também será estudado. Os dados obtidos a partir do presente estudo serão usados como fonte de dados que contribuirá para o entendimento da funcionalidade do nectário, assim como avaliada a possibilidade de ocorrência de hibridação natural entre ambas as espécies, já que várias formas intermediárias entre E. secundum e E. denticulatum podem ser encontradas ocorrendo na região.

 

2012 - 2013

A família Orchidaceae no interior do estado de São Paulo, Brasil

 

Orchidaceae compreende cerca de 25.000 espécies, sendo uma das maiores família entre as Angiospermas. No Brasil, áreas inseridas nos domínios da Mata Atlântica e do Cerrado são ricas em espécies de orquídeas. O inventário de espécies nativas desses Biomas é de extrema e urgente importância, como consequência dos desmatamentos que ainda ocorrem. Baseado nesses fatos, o presente projeto tem a finalidade de realizar o levantamento florístico das espécies pertencentes à família Orchidaceae ocorrentes em remanescentes de vegetação nativa dos municípios que compõem o interior do estado de São Paulo, Brasil. A partir do material coletado serão preparadas descrições e o registro fotográfico para as espécies. Outras questões serão abordadas durante o desenvolvimento do presente trabalho, como observação de padrões fenológicos, bem como a distribuição geográfica das espécies. Eventuais problemas taxonômicos serão também abordados. As informações fornecerão subsídios ao conhecimento da flora da região com a finalidade de preservação, uma vez que o interior do Estado é uma das maiores áreas canavieiras do país. 

 

2010 - 2012

Biologia reprodutiva das Alismataceae do estado de São Paulo

 

A família Alismataceae é constituída por 11 gêneros. O maior deles é Echinodorus, com aproximadamente 26 espécies, seguido de Sagittaria, com 25 espécies. Echinodorus encontra-se distribuído pelas Américas, enquanto Sagittaria ocorre principalmente no hemisfério ocidental, com apenas algumas espécies sendo encontradas nas Américas. Helanthium é endêmico da região neotropical. No estado de São Paulo a família está representada por cinco espécies de Echinodorus, uma de Helanthium e três de Sagittaria. A partir de populações nativas das espécies que ocorrem no Estado serão feitos estudos de biologia floral. Serão realizadas observações de campo para identificar os polinizadores e investigar os mecanismos de polinização das espécies. Flores serão coletadas para realização de estudos morfo-anatômicos, a fim de verificar em qual região são produzidos os recursos oferecidos aos polinizadores, e para identificar possíveis diferenças morfológicas entre indivíduos da mesma população e entre diferentes populações. A partir de plantas cultivadas no campo e cultivadas serão feitas polinizações experimentais para verificar o sistema reprodutivo das espécies, bem como para determinar a quantidade de aquênios obtidos em cada um dos tratamentos a serem realizados. A taxa de frutificação em ambiente natural também será quantificada para avaliar o sucesso reprodutivo das espécies. Para todas as espécies estudadas serão amostrados todos os indivíduos em fase de floração para determinar a existência de indivíduos com flores unissexuais/hermafroditas, uma vez que a ocorrência diferentes sistemas de reprodução tem sido documentado em Alismataceae. 

 

2011 - 2015

Anatomia, histoquímica e evolução das estruturas secretoras e recursos florais em Oncidiinae (Orchidaceae)

 

Oncidiinae é uma das maiores e mais importantes subtribos de Maxillarieae, compreendendo mais de 1.000 espécies distribuídas em cerca de 70 gêneros. Representantes desse grupo podem ser encontrados por todo o continente americano, sendo mais freqüentes nas regiões tropicais, tendo muitos representantes endêmicos do Brasil. No presente estudo serão realizados estudos anatômicos e histoquímicos de 20 espécies de Oncidiinae para caracterizar a estrutura das glândulas florais e determinar os tecidos envolvidos nas secreções, assim como a natureza química dos recursos florais oferecidos aos polinizadores. Os dados obtidos aqui para espécies de Oncidiinae serão acrescidos aos já publicados para a subtribo para a elaboração de um estudo sobre a evolução de estruturas produtoras de recursos florais oferecidos aos polinizadores. Para esse estudo será elaborada uma hipótese filogenética através de caracteres obtidos a partir do seqüenciamento das regiões psbA e matK do DNA de cloroplasto e ITS do DNA nuclear. Também serão usadas seqüências disponíveis no GenBank. O estudo sobre evolução das estruturas produtoras de recursos será realizado a partir do programa Mesquite.

 

2011 - 2012

Produção de néctar em Oeceoclades maculata (Lindl.) Lindl. (Orchidaceae: Epidendroideae: Cymbideae: Eulophiinae)

 

Orquídeas produzem diferentes tipos recursos florais (e.g., óleos comestíveis, fragrâncias, néctar) que são coletados por diversos grupos de animais. A espécie Oeceoclades maculata (Lindl.) Lindl. não produz nenhum tipo de recurso em populações de Porto Rico, local onde a espécie se reproduz exclusivamente por intermédio da ocorrência de autopolinização. No interior do estado de São Paulo, além da ocorrência de autopolinização espontânea, a espécie é polinizada por borboletas que visitam as flores para coletar o néctar produzido em pequenas quantidades no cálcar presente na base do labelo. Observações prévias revelam que o néctar está presente apenas no período da manhã, não havendo produção e conseqüente visita por parte das borboletas à tarde. Baseado nessas evidências o presente estudo irá investigar a produção de néctar em O. maculata em uma população do município de Ribeirão Preto, além de testar a ocorrência do fenômeno da reabsorção de néctar na espécie, tanto ao longo do dia quanto após eventos de polinização. O néctar será extraído das flores com uma seringa de precisão em intervalos de duas horas no período entre 06 e 18 h, de forma que a cada intervalo, 30 flores serão utilizadas. A quantidade de açúcares totais será medida pelo método de antrona, e a quantidade de açúcar encontrada será transformada em jaules, de forma a identificar a energia gasta por cada planta em um período de floração. Além disso, será investigado o período de forrageamento das borboletas que atuam como polinizadores de O. maculata na tentativa de relacionar a produção de néctar e a atividade dos polinizadores.

 

2010 - 2014

Base de dados, lista de espécies e biogeografia das Orchidaceae de Minas Gerais e do gênero Habenaria no Brasil, biossistemática e revisão taxonômica do complexo Habenaria repens

 

Esta proposta consiste na digitalização de dados e imagens das amostras de Orchidaceae de Minas Gerais e do gênero Habenaria do Brasil encontradas nos herbários do Royal Botanic Gardens de Kew, Muséum National d Histoire Naturelle de Paris e nos principais herbários brasileiros. Os dados digitalizados serão compilados em bases de dados e usados para produzir listas de espécies e análises biogeográficas em escala regional, para as Orchidaceae de Minas Gerais e, em escala nacional, para o gênero Habenaria no Brasil. A identificação das espécies será feita por uma equipe de 12 especialistas na taxonomia da família. Informações e imagens das amostras serão disponibilizadas online, no Herbário Virtual para o Conhecimento e Conservação da Flora Brasileira REFLORA. Adicionalmente, o estudo das amostras herborizadas será aplicado, em conjunto com estudos biossistemáticos, à delimitação taxonômica de um complexo de espécies de Habenaria que inclui táxons raros e de distribuição restrita. Como resultado espera-se a contribuir com o conhecimento da Flora do Brasil, identificar áreas de diversidade e endemismos, identificar áreas potenciais de diversidade, melhorar a qualidade da identificação taxonômica das amostras, subsidiar revisões e tratamentos taxonômicos, e formar recursos humanos capacitados para o estudo da biodiversidade vegetal brasileira.

 

2009 - 2015

Evolução Floral e Sistemática de Galipeinae (Rutaceae)

 

Pertencente à tribo Galipeae, Galipeinae é a subtribo mais diversificada da família Rutaceae na região neotropical. No entanto, estudos moleculares recentes vêm demonstrando que este grupo não é monofilético. A delimitação atual dos gêneros e espécies da subtribo é baseada principalmente em características florais, tais como corola tubulosa leve a fortemente zigomorfa, presença de estaminódios, anteras basifixas e geralmente apendiculadas, grau de união entre filetes e entre estes e as pétalas. Essas características variam tanto quantitativamente como qualitativamente. Porém, os trabalhos de morfo-anatomia floral feitos até então para subtribo são insuficientes para o entendimento profundo da diversidade de flores existente no grupo. Nesse contexto, o presente trabalho pretende estudar a morfo-anatomia floral de representantes da subtribo, visando fazer o levantamento de características que serão utilizadas na otimização (mapeamento) dos caracteres florais sobre a filogenia molecular mais recente disponível para o grupo. Com isso pretende-se avaliar a evolução das características florais estudadas à luz da filogenia, bem como as suas implicações na sistemática do grupo. Adicionalmente pretende-se executar um estudo de biologia floral com três espécies do grupo, com distintas morfologias florais, buscando estudar a relação das características florais com os sistemas de polinização, bem como discutir o significado adaptativo dessas feições florais. Isso será importante para a compreensão de fatores que podem ter exercido pressão seletiva sobre a morfogênese dos órgãos reprodutivos, atuando sobre a evolução floral do grupo.

 

2009 - 2013

Evolução dos sistemas de polinização em Vanilloideae (Orchidaceae) americanas.

 

A posição das orquídeas vanilóides na família Orchidaceae tem sido controversa, embora esse grupo apresente um conjunto de características que as distinguem de todos os outros dentro da família. Os estudos até agora realizados não incluem todos os gêneros pertencentes a ambos os grupos nas análises, e dados estão faltando, principalmente no que se refere às espécies sul-americanas. O presente trabalho tem por objetivo fazer uma análise da hipótese filogenética com os representantes de orquídeas vanilóides americanas e grupos externos a partir de dados macromoleculares para as regiões ITS (nrDNA), e matK, psaB e rbcL (cpDNA). Os dados de ITS serão usados para estabelecer as relações entre os gêneros e a posição de espécies saprofíticas dentro do grupo. Através dos dados obtidos nas análises moleculares e de biologia floral das espécies, o presente trabalho pretende verificar como pode ter ocorrido o processo de evolução dos sistemas de polinização dentro do grupo. Para isso, observações de campo serão realizadas para investigar os polinizadores e os mecanismos de polinização das espécies. Flores frescas serão coletadas e/ou fixadas para realização de estudos morfo-anatômicos que visarão detectar o do tipo de recurso floral oferecido por cada espécie. Os dados obtidos aqui para as espécies sul-americanas de Vanilloideae serão acrescidos aos previamente publicados para os demais gêneros de orquídeas vanilóides americanas.

 

2009 - 2010

Biologia floral de Vanilla edwallii Hoehne (Orchidaceae: Vanilloideae: Vanilleae)

 

Vanilla Plumier ex Miller é um gênero pantropical com cerca de 90 espécies, sendo que 38 são encontradas no Brasil. Uma delas é V. edwallii Hoehne, que ocorre principalmente no sudeste brasileiro e está amplamente distribuída em matas mesofíticas semidecíduas do Estado de São Paulo, sendo também encontrada da Serra do Japi, no município de Jundiaí-SP. Nessa região será investigada a biologia floral de V. edwallii através do estudo da fenologia reprodutiva, morfologia floral, tipo de recurso oferecido aos polinizadores. Além disso, será estudado o mecanismo de polinização para a espécie. Serão, também, feitos cortes anatômicos da região produtora de recurso, bem como verificada a taxa de frutificação em ambiente natural para verificar o sucesso reprodutivo de V. edwallii. Os dados obtidos a partir do presente estudo serão usados como fonte de dados que contribuirá para o entendimento da evolução dos sistemas de polinização em Vanilloideae americanas, um projeto Jovem Pesquisador que está sendo desenvolvido com apoio da FAPESP (processo 2007/07445-7).

 

2009 - 2010

A família Orchidaceae na região de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

 

Este projeto tem a finalidade de realizar o inventário florístico das espécies pertencentes à família Orchidaceae ocorrentes em fragmentos de matas nativas de 17 municípios que compõem a região de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. A partir do material coletado serão preparadas descrições, chaves de identificação e registro fotográfico para as espécies. Também serão realizadas ilustrações para pelo menos uma espécie de cada gênero. Outras questões serão abordadas durante o desenvolvimento do presente trabalho, como observação de padrões fenológicos, bem como a distribuição geográfica das espécies. Eventuais problemas taxonômicos serão também tratados durante o desenvolvimento do trabalho. As informações fornecerão subsídios ao conhecimento da flora da região com a finalidade de preservação, uma vez que a região de Ribeirão Preto é uma das maiores áreas canavieiras do país.

 

2008 - 2009

Investigação da ocorrência de ginodioicia em Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli (Alismataceae)

 

A família Alismataceae é constituída por cerca de 11 gêneros, sendo que dois deles são encontrados no Brasil: Echinodorus e Sagittaria. O maior é Echinodorus com aproximadamente 26 espécies, dentre as quais está E. grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli, que se encontra amplamente distribuída em áreas palustres do Estado de São Paulo, inclusive na região de Ribeirão Preto, local onde será desenvolvido o presente projeto. Será investigada a ocorrência de ginodioicia em E. grandiflorus através de estudos de biologia floral e reprodutiva. Serão amostradas flores de todas as plantas em fase de floração para determinar a proporção de indivíduos com flores hermafroditas/femininas que compõem a população a ser estudada. Também serão investigados os mecanismos de polinização e a morfo-anatomia da flor, buscando identificar onde são produzidos os recursos oferecidos aos polinizadores. Serão feitos tratamentos de polinização para verificar o sistema reprodutivo da espécie, bem como determinar a quantidade de aquênios obtidos em cada tratamento. A taxa de frutificação em ambiente natural para ambos os morfos florais será analisada para avaliar o sucesso reprodutivo da espécie.

 

2007 - 2011

Biologia floral e reprodutiva do gênero Cirrhaea Lindl. (Orchidaceae) e evolução dos sistemas de polinização em Stanhopeinae

 

O gênero Cirrhaea Lindl. inclui 5 espécies distribuídas principalmente pela região sudeste do Brasil. Será estudada a fenologia, a biologia floral e reprodutiva das espécies de Cirrhaea, bem como a morfo-anatomia das estruturas secretoras. Observações de campo serão realizadas para investigar os polinizadores e os mecanismos de polinização das espécies. Flores frescas serão coletadas e fixadas para os estudos morfo-anatômicos. Serão feitos tratamentos de polinização para verificar o sistema reprodutivo. A quantidade de sementes potencialmente viáveis obtidas em cada tratamento, bem como a taxa de frutificação em ambiente natural para avaliar o sucesso reprodutivo serão determinados. Os dados obtidos aqui para as espécies de Cirrhaea serão acrescidos aos publicados para os demais gêneros de Stanhopeinae para a elaboração de um estudo sobre a evolução dos sistemas de polinização da subtribo. Para o estudo da evolução dos sistemas de polinização será elaborada uma hipótese filogenética através de caracteres morfo-anatômicos e obtidos a partir do seqüenciamento das regiões trnL-F e matK do DNA de cloroplasto e ITS do DNA nuclear para as espécies de Cirrhaea e utilizadas as seqüências do GenBank para as demais espécies de Stanhopeinae. Estes resultados serão complementados com os dados moleculares sobre a filogenia dos polinizadores deste grupo de orquídeas, obtida em literatura.

 

2005 - 2009

Relações filogenéticas e biogeografia de orquídeas vanilóides e Epidendroideae basais (Orchidaceae)

 

A posição das Epidendroideae basais e orquídeas vanilóides na família Orchidaceae, ao longo da história da classificação, tem sido controversa. Esses grupos de orquídeas apresentam um conjunto de características que as distinguem de todos os outros dentro da família. No entanto, sinapomorfias óbvias que possam ser usadas para separá-los estão faltando, embora, nos sistemas mais recentes de classificação, esses dois grupos sejam considerados como distintos. Os estudos até agora realizados não incluem todos os gêneros pertencentes a ambos os grupos nas análises, e dados estão faltando, principalmente no que se refere às espécies sul-americanas. O presente trabalho tem por objetivo fazer uma análise da hipótese filogenética com os representantes de orquídeas vanilóides, Epidendroideae basais e grupos externos a partir de dados morfológicos e de fragmentos de restrição de DNA para as regiões ITS, psaB e rbcL. Através dos dados de rbcL, psaB e será feita uma análise conjunta com representantes das Orchidoideae e Cymbidieae (Epidendroideae), a fim de elucidar e estabelecer a posição das orquídeas vanilóides e Epidendoideae basais dentro da família Orchidaceae. Os dados de ITS serão usados para estabelecer as relações entre os gêneros e a posição de espécies saprofíticas dentro do grupo. O trabalho pretende, ainda, através de dados de distribuição geográfica das espécies e obtidos nas análises morfológica e molecular, verificar onde pode ter surgido e como ocorreu a dispersão biogeográfica do grupo.

 

2000 - 2005

Sistemática filogenética das Pogoniinae sul-americanas e revisão taxonômica do gênero Cleistes L.C. Richard ex Lindl. (Orchidaceae: Vanilloideae)

 

Um estudo filogenético com caracteres morfológicos e regiões do DNA de cloroplasto demonstrou que a subtribo Pogoniinae é composta por dois clados. Um desses clados é um sul-americano e inclui as espécies de Cleistes sul-americanas, Cleistes rosea, que está distribuída desde o Brasil até a Costa Rica, e C. costaricensis, endêmica da Costa Rica. O outro clado é norte-americano/asiático e inclui os gêneros Pogonia, Isotria e a espécie Cleites divaricata. Duckeella, gênero endêmico da Amazônia, é o grupo irmão desses dois clados. Pogoniopsis, um gênero endêmico do sudeste brasileiro, não foi incluído na análise. As espécies do gênero Cleistes ocorrentes na América tropical formam um grupo monofilético. A inclusão da espécie norte-americana Cleistes divaricata na análise, torna o gênero Cleistes parafilético. No presente trabalho, será feito o estudo cladístico das espécies sul-americanas da subtribo Pogoniinae e a revisão taxonômica do gênero Cleistes a partir de caracteres morfo-anatômicos e macromoleculares. Os gêneros sul-americanos, Duckeella e Pogoniopsis, serão incluídos na análise a fim de estabelecer as correlações com o gênero Cleistes e saber a posição de Pogoniopsis dentro da subtribo Pogoniinae. Os caracteres a serem utilizados deverão ser obtidos principalmente de material vivo, mas também de material herborizado. Serão elaboradas chaves de identificação, descrições, ilustrações, fotos, mapas de distribuição geográfica e investigado aspectos de polinização das espécies estudadas. Baseado no estudo cladístico, serão analisados a evolução de caracteres e os padrões biogeográficos das espécies.

 

1998 - 2000

Estudo da biologia reprodutiva e morfologia floral de algumas espécies de Orchidaceae em ambientes diferentes no estado de São Paulo

 

Será feito o estudo da biologia reprodutiva e morfologia floral de quatro espécies de Orchidaceae: Cirrhaea dependens, Epidendrum secundum, Polystachya estrellensis e Psilochilus modestus. As espécies escolhidas ocorrem tanto em matas de altitude do interior do Estado de São Paulo (Serra do Japi - Jundiaí e Pedra Grande - Atibaia) quanto em matas superúmidas da planície litorânea (Picinguaba - Ubatuba-SP). Em ambos os ambientes, serão investigados aspectos de sua biologia floral e sucesso reprodutivo. Para cada espécie serão realizados tratamentos para verificação de sua forma de reprodução, taxa de frutificação, porcentagem de sementes férteis obtidas em cada tratamento, e será observada a fenologia das plantas em cada ambiente. Será comparada a morfologia floral das espécies nos diferentes ambientes, relacionando sua síndrome floral e variação de compostos voláteis com o tipo de polinizador encontrado, através de observações de campo. A análise dos voláteis será realizada em colaboração com a equipe da Dra. Anita J. Marsaioli, do Instituto de Química da UNICAMP.

 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now